Os TEXTOS que se seguem são pura FICÇÃO e qualquer semelhança com a REALIDADE é pura coincidência!
Este espaço permite-me dar-vos a conhecer todo o meu entusiasmo pelas palavras.


df @ 20:43

Qui, 19/03/09

- Mas viste-os mesmo na...?

Interrompi-o.

- Vi-os aos beijos na sala. Deveriam estar tão absortos naquilo que nem deram pela minha entrada.

- A sério?! - a expressão dele passou de curiosidade para repugnância.

- Sim. Eu não consegui dizer nada. - Fiz uma pequena pausa e continuei - Senti-me tão enojada... tive uma enorme vontade de vomitar... Mas mantive-me firme, acho eu... Virei costas, deixei-lhe a chave de casa dele num móvel qualquer e fui-me embora. Olha, és a segunda pessoa que sabe disto, Miguel. Não consegui falar disto a mais ninguém, a não ser à Beatriz...

- Mas vocês encontraram-se depois? Para ele se explicar? Se é que havia alguma explicação...

- Ele veio cá a casa - falei, desviando a cara. Custava-me voltar a reviver aquela situação. - Ele tentou explicar-me as suas... as suas tendências... Disse-me que era comigo que queria estar, era a mim que amava, mas que não conseguia deixar de sentir uma enorme atracção e vontade de estar com aquele homem que vi... Senti-me tão magoada, tão traída, tão... - Senti que as lágrimas insistiam em descer rio abaixo, mas tentei segurar-me.  Acho que ainda hoje é-me difícil pensar nisso - confessei. Não pensei que fosse tão doloroso ainda, mas era-o.

- Imagino!

Puxou-me para ele e deixou-me encostar a cabeça no seu ombro. Ficámos abraçados durante uns minutos, sentados no sofá de imitação de pele, até que eu interrompi o saboroso silêncio:

- Disseste que o teu pai tinha falecido - disse, hesitantemente, em voz quase inaudível.

 

- Sim - falou, a voz pesada de dor - Morreu há seis meses.

- Tiveste sempre contacto com ele?

- Pode parecer estranho, mas eu cresci com ele e com os meus irmãos.

- Não é nada estranho, acho eu... - Olhei para ele e acariciei-lhe o rosto triste e saudoso.

- O meu pai já tinha um filho com três anos quando eu nasci. Ele teve que admitir a traição à mulher. - pegou na minha mão, pousando-a em cima das suas pernas, roçando os seus dedos na minha pele.

- E a tua mãe como reagiu a tudo isto?

- Eu disse-te que a minha mãe era uma pessoa admirável... Ela descobriu que ele era casado, quando lhe disse que estava grávida. O meu pai inicialmente quis que a minha mãe fizesse um aborto, mas depois decidiu assumir as responsabilidades. Pelos menos foi o que me contaram... - Fez um pequeno sorriso forçado - Contou à mulher, então, que o pôs fora de casa...

- Pois, imagino que seja difícil aceitar uma coisa destas. Também não é fácil perdoar uma traição, eu que o diga, que não fui mesmo capaz... - senti que a minha voz transmitiu um ligeiro lamento e arrependi-me disso. 

- Segundo sei, a minha madrasta acabou por o perdoar meses mais tarde, ou pelo menos fingir que o perdoava... Penso que foi mais pelo dinheiro do que propriamente pelo facto de o amar.

- Mas de certo o divórcio era mais rentável e ela não teria que conviver com ele... - constatei.

- Não sei quais eram os termos do acordo pré-nupcial, se é que havia... O certo é que ela voltou a viver com o meu pai. Entretanto, ele e a minha mãe chegaram a um acordo quanto à minha educação e eu andava de um lado para o outro... A minha madrasta não gostava quando a minha mãe me ia levar e buscar a casa dela. Sempre pensei que tenha sido por isso que ela engravidou por mais duas vezes e tentou outras tantas...

- Que mulher perversa! - exclamei.

- No fundo até é boa pessoa, mas é muito gananciosa e por vezes esquece-se que nem todos somos com ela...

- E a tua mãe no meio disto tudo? Ela gostava do teu pai.

- Pois, deixou de gostar...- o sorriso amarelo indicou-me que ele achava que isso era impossível. - A minha mãe colocou-se em segundo plano, como acho que todas as mães o deveriam fazer. Tentou seguir a vida dela. Nunca teve ninguém sério na vida dela e nunca levou ninguém para casa.

- Tu ainda vives com ela, não é?

- De vez em quando...  



DESAFIO

Coloquei-vos há tempos o desafio de darem um TÍTULO à nova história que se irá desenvolver nos próximos meses aqui. Ainda não vos dei muita informação, a não ser que as personagens se chamam Rafael e Juliana e que trabalham na mesma empresa. Conforme vou publicando os posts, certamente irão perceber que há muitos segredos para serem revelados...
Além do título, também espero que deixem nos comentários o vosso feedback.
Obrigado
A Gerência

A licença do blog

Creative Commons License
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons.


Rubricas:

Além de uma nova história a decorrer no blog, acompanhem também a nova rubrica do blog 'PERDIDOS E ACHADOS DA VIDA', pequenos textos que incidem sobre... Leiam e descubram...

Pesquisa
 
Contacto
Mail:
contosepontos@sapo.pt
Março 2009
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
13
14

15
18
20
21

22
24
26
28

29
30
31


No baú...
2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D


2008:

 J F M A M J J A S O N D


Citação do dia


Comentários recentes
Olá obrigada por me adiconares. Gostei mto de ler ...
http://asnossaspalavrasperdidas.blogs.sapo.pt/Novo...
Obrigado pelos elogios.Volta sempre!Quanto ao próx...
Há uns tempos que aqui não vinha . . . nem aqui ne...
Muito bonitas as tuas palavras...também sou uma ra...
Posts mais comentados
3 comentários
2 comentários
2 comentários
Eu escrevo para a...

Estou no...

Estou no blog.com.pt - comunidade de bloggers em língua portuguesa
blogs SAPO