Os TEXTOS que se seguem são pura FICÇÃO e qualquer semelhança com a REALIDADE é pura coincidência!
Este espaço permite-me dar-vos a conhecer todo o meu entusiasmo pelas palavras.


df @ 12:33

Qua, 01/04/09

Desvendados os segredos, eu e a Beatriz decidimos convidar os nossos amigos mais próximos para um jantar lá em casa: a Sónia e o Pedro, a Inês e o Nuno e a eterna solteirona Verónica.

Apesar dos desentendimentos com a prima por diversos motivos, especialmente familiares, a Beatriz estava disposta a fazer uma pausa na sua rebelião contra a Verónica. Por mim e pela sua nova fase conturbada, chamada amor.

Optamos por um prato tipicamente portuense - a francesinha - bastante apreciada por todos e fiz o meu molho especial, que tinha aprendido com um aspirante a cozinheiro nos meus tempos da faculdade e que ao longo dos tempos fui aperfeiçoando ao meu gosto. Acompanhadas por excessivas doses de batatas fritas e cerveja fresca, o repasto foi um momento com enorme intensidade por todos, visto serem escassas as vezes que agora nos reuníamos assim.

No fim da refeição, em vez de nos dedicarmos à viciante jogatina das cartas ou de qualquer outro tipo de diversão, a Verónica propôs outra ideia:

- Meninas - não querendo ofender ninguém, - disse em tom de gozo - apesar da noite estar fria, que tal irmos até à praia beber um café?

- Cá para mim, Verónica, tens alguém de olho para aqueles lados. Não, espera, combinaste com algum homem mais novo lá? - insinuou a Sónia, enquanto acariciava a cabeça do meu gato, distraidamente, sentada no sofá.

- Não sejas cruel comigo. Oh, meu Deus! - dramatizou, levando as mãos à sua vasta cabeleira negra. - Não posso simplesmente querer estar com os meus amigos num local agradável, sem me apelidarem injustamente de promíscua?

- Bem - disse eu, levantando-me da cadeira, que fazia parte do conjunto da mesa de jantar - independentemente dos motivos da Verónica, acho boa ideia.

- Hoje não vais estar com aquele homem lindo de olhos verdes que vimos da outra vez? - perguntou a Verónica.

Mais uma vez eram elas que precisavam de me questionar. Tinha aprendido a guardar as coisas para mim e apesar de nos conhecermos há tanto tempo, eu não mudara. Não era uma questão de falta de confiança, simplesmente não escancarava a porta dos meus sentimentos naturalmente.

- Encontrei-o hoje de manhã em trajes diminutos aqui pelo corredor - lançou a Beatriz.

- O quê?! - retorquiu a V., colocando o braço em cima dos meus ombros, enquanto nos preparávamos para sair para o corredor do prédio - Isso já está assim tão avançado? Ele já passou aqui a noite? Troca-me isso por miúdos, querida. Quero saber todos os pormenores.

 

O bar ficava do lado oposto à Praia de Salgueiros e estava entre os muitos que se tinham estabelecido ali naquela zona. Não havia muitas pessoas na rua. A maioria tinha-se abrigado dentro dos cafés, devido às baixas temperaturas daquele Novembro. Nós dirigimo-nos ao Capitania Bar, local habitual quando íamos para ali.

A música normalmente estava num nível elevado, mas não era impeditivo para um diálogo entre as pessoas que optavam por aquele espaço; a luz, em vários tons azuis, era média, dando ao ambiente um aspecto sereno.

Vi-o mal entrei.

Como não poderia ver? Estava acompanhado por três homens e duas mulheres, de costas voltadas para a porta principal. Fingi. Tinha que fingir. Não havia outra solução.

Não dei indicação alguma a eles que ali estava ele e sentamo-nos tranquilamente numa mesa mais ao fundo, do lado contrário ao balcão, perto das casas-de-banho. Uma mesa no canto, como eu gostava.

Minutos depois, entre gargalhadas, pedimos as nossas bebidas e ele veio ter comigo.

- Fingiste que não me viste ou não me viste mesmo?

- Fingi - respondi, em tom baixo, sem o olhar.

- Pois, bem me parecia. Porque é que reagiste assim? Porque não vieste ter comigo, Ana?

Os rostos dos meus amigos estavam postos em mim, à espera que mantivesse aquela conversa, a fim de os esclarecer da situação.

- Qual delas é a tua mãe? Seja qual foir está bem conservada. - Olhei-o, depois de contemplar as duas figuras femininas.

- Acho que consegues perceber perfeitamente que nenhuma delas é a minha mãe. São amigas minhas.

- Pois...

- Porque raio estás a reagir assim?

Fitei-o. Ele voltou a fazer a mesma pergunta.

- Porra, Miguel! - bati com o punho na mesa, enquanto me levantava, os nossos olhares praticamente ao mesmo nível. - Mentiste-me!

- Como?!
 

 

 



DESAFIO

Coloquei-vos há tempos o desafio de darem um TÍTULO à nova história que se irá desenvolver nos próximos meses aqui. Ainda não vos dei muita informação, a não ser que as personagens se chamam Rafael e Juliana e que trabalham na mesma empresa. Conforme vou publicando os posts, certamente irão perceber que há muitos segredos para serem revelados...
Além do título, também espero que deixem nos comentários o vosso feedback.
Obrigado
A Gerência

A licença do blog

Creative Commons License
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons.


Rubricas:

Além de uma nova história a decorrer no blog, acompanhem também a nova rubrica do blog 'PERDIDOS E ACHADOS DA VIDA', pequenos textos que incidem sobre... Leiam e descubram...

Pesquisa
 
Contacto
Mail:
contosepontos@sapo.pt
Abril 2009
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
11

12
14

19
22

26
27
28
30


No baú...
2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D


2008:

 J F M A M J J A S O N D


Citação do dia


Comentários recentes
Olá obrigada por me adiconares. Gostei mto de ler ...
http://asnossaspalavrasperdidas.blogs.sapo.pt/Novo...
Obrigado pelos elogios.Volta sempre!Quanto ao próx...
Há uns tempos que aqui não vinha . . . nem aqui ne...
Muito bonitas as tuas palavras...também sou uma ra...
Posts mais comentados
3 comentários
2 comentários
2 comentários
Eu escrevo para a...

Estou no...

Estou no blog.com.pt - comunidade de bloggers em língua portuguesa
blogs SAPO