Os TEXTOS que se seguem são pura FICÇÃO e qualquer semelhança com a REALIDADE é pura coincidência!
Este espaço permite-me dar-vos a conhecer todo o meu entusiasmo pelas palavras.


df @ 11:16

Qua, 10/06/09

A indecisão. A incerteza.

Ter algo e não se ter a certeza de que se quer.

Até hoje, sabia que apenas uma vez na vida tivera uma certeza: fugir de casa. A partir daí seria aproveitar tudo o que vida teria para me oferecer. E achava que o tinha feito. Achava que tinha vivido até ao limite das minhas possibilidades. Achava que o Tiago tinha sido a melhor coisa que me tinha acontecido, juntamente com os nossos amigos em Lisboa.

Mas esta fusão entre o passado e presente fazia-me duvidar de todas as minhas decisões até àquele momento.

Havia a minha percepção das situações, idêntica à do Ricardo e a das outras pessoas. Não me incomodariam tanto se o meu marido não estivesse incluído nesta última.

Mas ainda assim sentia-me injustiçada. Tinha sofrido tanto e ninguém compreendia. Pior, quase ninguém era capaz de acreditar que o meu pai tinha sido capaz de me maltratar física e psicologicamente. Não. Ele não. Ele era o exemplo da vizinhança. Abastado, com uma casa de fazer inveja, sempre bem limpa, o jardim sempre bem aparado; a filha tinha possibilidade de andar na natação, de ter aulas de música; a mulher deixara de trabalhar fazia muito tempo e podia dedicar-se somente à lida doméstica. Como um homem destes podia fazer algum mal à família?

Esta última figura familiar tivera a sua quota de participação, ainda que passiva. Acreditava que o meu pai é que tinha qualificações para me educar e, como tal, do pouco conhecimento que tinha, não colocava em causa. Quando me aproximava dela para me queixar de algo que eu pensava que era injusto, as suas palavras eram somente: 'o teu pai é que sabe. Se te bateu, é porque deste motivos para tal'.

Mas as provas físicas eram mais difíceis de aceitar. A minha mãe não acreditava que o meu pai fosse tão longe na minha educação e então acusava-me de mentirosa. 'Como podes dizer isso do teu pai? Ele adora-te, só quer o melhor para ti e é assim que tu lhe pagas? És uma ingrata, Diana'. Estas palavras repetiram-se até realmente me aperceber com pouco mais de dez anos que a minha mãe não era igual às outras mães: o centro da sua vida era o marido e não a filha...

 



DESAFIO

Coloquei-vos há tempos o desafio de darem um TÍTULO à nova história que se irá desenvolver nos próximos meses aqui. Ainda não vos dei muita informação, a não ser que as personagens se chamam Rafael e Juliana e que trabalham na mesma empresa. Conforme vou publicando os posts, certamente irão perceber que há muitos segredos para serem revelados...
Além do título, também espero que deixem nos comentários o vosso feedback.
Obrigado
A Gerência

Rubricas:

Além de uma nova história a decorrer no blog, acompanhem também a nova rubrica do blog 'PERDIDOS E ACHADOS DA VIDA', pequenos textos que incidem sobre... Leiam e descubram...

Pesquisa
 
Contacto
Mail:
contosepontos@sapo.pt
Junho 2009
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
11
12

14
15
16
17
18
19

21
23
24
25
26

28
29
30


No baú...
2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D


2008:

 J F M A M J J A S O N D


Comentários recentes
Olá obrigada por me adiconares. Gostei mto de ler ...
http://asnossaspalavrasperdidas.blogs.sapo.pt/Novo...
Obrigado pelos elogios.Volta sempre!Quanto ao próx...
Há uns tempos que aqui não vinha . . . nem aqui ne...
Muito bonitas as tuas palavras...também sou uma ra...
Posts mais comentados
3 comentários
2 comentários
2 comentários
subscrever feeds
blogs SAPO