Os TEXTOS que se seguem são pura FICÇÃO e qualquer semelhança com a REALIDADE é pura coincidência!
Este espaço permite-me dar-vos a conhecer todo o meu entusiasmo pelas palavras.


df @ 15:27

Dom, 03/01/10

- Não podes dizer as coisas assim. As pessoas têm os seus problemas...

Ele podia ver que ela travava uma batalha interior para não mostrar qualquer emoção naquele momento, como era habitual. Mas era infrutífera. A dor era visível nos seus olhos castanhos.

- O Filipe era meu marido, por isso posso falar dele assim.

O som de alguém bater à porta fez-se soar, para logo de seguida, a empregada entrar, com o pedido que Juliana tinha feito.

Esse momento de interrupção foi suficiente para ela se recompor.

- Bem, a questão aqui é que eu detenho agora praticamente a parte que pertencia ao Filipe na empresa. Não sou simplesmente uma funcionária, entendes? Só pelo facto de sermos colegas de trabalho já era motivo suficiente para isso, mas acresce que sou tua chefe. - referiu ela, num tom compreensivo, enquanto bebia o café.

- Não aceito esse motivo, Juliana, mas prometo que vou tentar ser compreensivo.

- Então podemos ver as coisas de outra forma ou de uma forma complementar - indagou ela, pousando a pequena chávena branca, com uma delicada linha dourada no topo, em cima da mesa de centro. - Eu não quero voltar a magoar-me.

- Como é que podes dizer isso se nem sequer tentámos? - perguntou ele, fazendo menção de se levantar.

Ela levantou a mão, com o objectivo de o manter afastado.

- À partida já sei que é isso que acontece, Rafael. Olha, eu saí muito magoada da minha relação com o Filipe. Estávamos casados há pouco mais de um ano quando ele se... Eu não sabia que ele estava assim tão mal. Sabia que a relação com os pais dele, especialmente com a mãe, era má, mas... Aquilo era demasiado para ele, mas nunca pensei que... Nunca pensei que ele me deixasse sozinha...

Aquela afirmação era tão verdadeira, tão cruel.

- Deixei de acreditar nas pessoas, Rafael. É tão simples como isso.

'Era mais uma declaração que parecia fazer sentido em relação às suas acções', pensou ele.

- Afastei todas as pessoas da minha vida. Nada do que me diziam parecia ser real. Transformei-me numa pessoa por natureza desconfiada. - admitiu contrariada.

- Não... não tens ninguém?

'Como era possível que alguém conseguisse viver de forma tão solitária?', perguntou-se ele. 'Quer dizer, isso nem sequer era viver, era deixar que os dias passassem, à espera do seu último suspiro de vida...'

- Tenho o José, que era o melhor amigo do Filipe e que se tornou na única pessoa em que confio, porque também foi magoado por ele. Tenho dois irmãos, uma irmã e um irmão, que vivem em Matosinhos e na Maia, respectivamente, mas que raramente visito e me visitam. Mesmo depois destes anos, não consigo... Não consigo sorrir por simpatia, entendes? Não engano ninguém como sou e não deixo que ninguém em engane. - declarou, decidida.

- As coisas não são assim a preto e branco, Juliana. A vida não é assim tão linear.

- Talvez...

Naquele momento permitiram-se olhar mutuamente. Ele viu o rosto triste dela, o olhar vazio e uma mente distante, quase a desabar. Ela viu nele a esperança que já deixara de ter há muito tempo nas pessoas em geral e o desejo de mudar o mundo.

Apetecia-lhe levantar-se e abraçá-la. Não queria continuar a vê-la sofrer daquela maneira. Não a pressionara para aquilo. Ele só queria uma oportunidade de a conhecer...

Decidiu mudar de assunto.

- Qual é o segundo motivo? - perguntou ele.

Naquele preciso momento, ouviu-se a grande porta da entrada abrir-se e depois fechar-se.

 



DESAFIO

Coloquei-vos há tempos o desafio de darem um TÍTULO à nova história que se irá desenvolver nos próximos meses aqui. Ainda não vos dei muita informação, a não ser que as personagens se chamam Rafael e Juliana e que trabalham na mesma empresa. Conforme vou publicando os posts, certamente irão perceber que há muitos segredos para serem revelados...
Além do título, também espero que deixem nos comentários o vosso feedback.
Obrigado
A Gerência

A licença do blog

Creative Commons License
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons.


Rubricas:

Além de uma nova história a decorrer no blog, acompanhem também a nova rubrica do blog 'PERDIDOS E ACHADOS DA VIDA', pequenos textos que incidem sobre... Leiam e descubram...

Pesquisa
 
Contacto
Mail:
contosepontos@sapo.pt
Janeiro 2010
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
12
13
16

18
19
20
22
23

24
25
26
27
28
29
30

31


No baú...
2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D


2008:

 J F M A M J J A S O N D


Citação do dia


Comentários recentes
Olá obrigada por me adiconares. Gostei mto de ler ...
http://asnossaspalavrasperdidas.blogs.sapo.pt/Novo...
Obrigado pelos elogios.Volta sempre!Quanto ao próx...
Há uns tempos que aqui não vinha . . . nem aqui ne...
Muito bonitas as tuas palavras...também sou uma ra...
Posts mais comentados
3 comentários
2 comentários
2 comentários
Eu escrevo para a...

subscrever feeds
Estou no...

Estou no blog.com.pt - comunidade de bloggers em língua portuguesa
blogs SAPO