Os TEXTOS que se seguem são pura FICÇÃO e qualquer semelhança com a REALIDADE é pura coincidência!
Este espaço permite-me dar-vos a conhecer todo o meu entusiasmo pelas palavras.


df @ 12:31

Sab, 20/06/09

A casa estava vazia. Vazia de discussões, de falsas modéstias.

A minha mãe estava na sala, sentada no sofá de pele, a ver televisão, aguardando pacientemente que as seis horas da tarde chegassem para dizer mais uma vez o adeus ao meu pai.

A empregada de limpeza, com um sorriso leve, retirou-se, antevendo o ataque entre mãe e filha.

- O que estás aqui a fazer? - perguntou, áspera, levantando-se - O que estás a fazer aqui, sua ingrata? - repetiu, os seus olhos lançando faíscas de ódio.

- Sabes perfeitamente o que estou aqui a fazer. Vim à missa de sétimo dia do pai - respondi, tentando mostrar-me serena.

- Devias ter ido directamente para a igreja, não para aqui. Deixaste há muito tempo de ter o direito de entrar aqui. Esta deixou de ser a tua casa, Diana! Lá por teres estado aqui no funeral do teu pai, isso não te dá o direito de voltares a entrar aqui como se ainda cá morasses.

- Sim, tens razão, mãe. Vim só ver como estavas, mas parece que não precisas de nada.

- A única coisa de que precisava era do teu pai. Mas tu e a morte trataram de mo tirar!

- Eu?! Como assim? - engasguei.

- Sai daqui, Diana. Sai daqui! - gritou a plenos pulmões.

Encolhi-me, tal era a ira da minha mãe contra mim.

Não obstante o facto dela não acreditar na violência que o meu pai exercia sobre mim, até tinha sido boa mãe. Levava-me à escola, à natação, às aulas de música, ajudava-me a fazer os trabalhos de casa, cuidava de mim quando estava doente... Sim, no fundo, até tinha desempenhado um bom papel, mas parecia que a rivalidade tinha-se acentuado nos últimos anos em que eu vivera com eles e algo que eu ainda não entendera, tinha acontecido, para aumentar o ódio dela.

Entrei no carro e respirei fundo. 

Apesar de há muitos anos não saber o que era ter mãe, sentia ainda falta de algo que tive poucas vezes: aprovação, orgulho. Para a minha mãe, eu não passava de uma pessoa ingrata, que não dava valor a tudo o que tinham feito por mim, que tinha roubado os meus próprios pais. A minha mãe reduzira-me a isso. Nunca fizera questão de me conhecer, apenas queria saber onde estava, com quem estava, se não fazia asneiras e, acima de tudo, se não os deixava ficar mal perante a vizinhança e a família. Mas era inevitável para uma criança e pior ainda para uma adolescente, sob constante vigilância e com as hormonas em alta, não contrariar as regras impostas. Talvez por isso, a dada altura, a companhia do Ricardo não fosse bem aceite, mesmo sendo filho da melhor amiga da minha mãe.

Cheguei à igreja faltavam quinze minutos para o início da cerimónia. Algumas pessoas, entre vizinhos, colegas de trabalho e alguma família, já tinham chegado e formavam pequenos grupos no adro.

Estacionei o carro e mantive-me no seu interior, até as pessoas começarem a entrar. Afastada de todos como a minha mãe queria...

Assisti à missa na entrada da igreja, sentada, timidamente, no primeiro banco que se encontrava à minha esquerda.

- Preciso de falar contigo - disse o Ricardo, sentando-se discretamente ao meu lado, no fim do discurso do padre, quando todas as pessoas já tinham passado por mim, com um olhar desconfiado.

 

    



DESAFIO

Coloquei-vos há tempos o desafio de darem um TÍTULO à nova história que se irá desenvolver nos próximos meses aqui. Ainda não vos dei muita informação, a não ser que as personagens se chamam Rafael e Juliana e que trabalham na mesma empresa. Conforme vou publicando os posts, certamente irão perceber que há muitos segredos para serem revelados...
Além do título, também espero que deixem nos comentários o vosso feedback.
Obrigado
A Gerência

A licença do blog

Creative Commons License
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons.


Rubricas:

Além de uma nova história a decorrer no blog, acompanhem também a nova rubrica do blog 'PERDIDOS E ACHADOS DA VIDA', pequenos textos que incidem sobre... Leiam e descubram...

Pesquisa
 
Contacto
Mail:
contosepontos@sapo.pt
Junho 2009
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
11
12

14
15
16
17
18
19

21
23
24
25
26

28
29
30


No baú...
2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D


2008:

 J F M A M J J A S O N D


Citação do dia


Comentários recentes
Olá obrigada por me adiconares. Gostei mto de ler ...
http://asnossaspalavrasperdidas.blogs.sapo.pt/Novo...
Obrigado pelos elogios.Volta sempre!Quanto ao próx...
Há uns tempos que aqui não vinha . . . nem aqui ne...
Muito bonitas as tuas palavras...também sou uma ra...
Posts mais comentados
3 comentários
2 comentários
2 comentários
Eu escrevo para a...

Estou no...

Estou no blog.com.pt - comunidade de bloggers em língua portuguesa
blogs SAPO