Os TEXTOS que se seguem são pura FICÇÃO e qualquer semelhança com a REALIDADE é pura coincidência!
Este espaço permite-me dar-vos a conhecer todo o meu entusiasmo pelas palavras.


df @ 13:18

Sab, 12/09/09

- Interrompi alguma coisa?

- Nada de importante, Ricardo. Olha, já podes fechar a porta. Vou só acabar aqui as contas e já vamos embora. Senta-te aí no sofá.

- Precisas que te ajude em alguma coisa?

- Não, obrigado - respondi.

Aquela proposta do Tiago ecoava na minha mente e assumia cada vez uma maior importância naquele momento.

Dirigi-me até ao pequeno armazém nas traseiras da loja, onde mantinha um pequeno escritório, entrei e fechei a porta. A enorme vontade de chorar voltou, perante a percepção de que muita coisa podia ter sido diferente com apenas uma decisão: ficar em Lisboa há uns três anos. Ou daí até não...

Enxaguei as escassas lágrimas que me permiti derramar com um pequeno lenço de papel, que estava esquecido há muito tempo na mesa do computador. Respirei fundo e voltei para a loja.

- Olha, Ricardo, não tenho vontade de ir jantar fora. Importas-te de irmos para minha casa?

- Claro que não - respondeu, levantando-se do banco onde se tinha instalado. Olhou-me directamente nos olhos, aproximando-se a passos largos de mim - O que se passa?

- Não se passa nada.

- Então porque tenho a impressão de que estiveste a chorar?

- É mesmo só impressão, Ricardo. - afirmei, virando-lhe as costas, dirigindo-me para o balcão, onde tinha a minha carteira.

- Não me queres contar, pois não?

- Porra, Ricardo - voltei-me para ele - Já te disse que não se passa nada! - exaltei-me.

- Não, Diana, alguma coisa se passa. Conheço-te bem demais. O que é que ele te fez?

- Ele? Ele quem?

- Ora, não te faças de desentendida. O teu marido, claro está.

- O meu ex-marido! - corrigi.

- Então sempre se passou alguma coisa... - adiantou.

Respirei fundo. Voltei a respirar fundo. Não me queria chatear com o Ricardo, não me queria afastar dele. Gostava de estar com ele, de conversar com ele. Respirei fundo mais uma vez.

- Fazemos assim, Ricardo. Eu admito que alguma coisa se passou, mas é um assunto em que eu ainda preciso de pensar. Por isso, não vamos voltar a tocar nisto. Pode ser? Podemos ir jantar agora? Tenho uma lasanha em casa. É só colocar no forno...

Ele anuiu contrariado e fomos, cada um no seu carro, para minha casa.

 



DESAFIO

Coloquei-vos há tempos o desafio de darem um TÍTULO à nova história que se irá desenvolver nos próximos meses aqui. Ainda não vos dei muita informação, a não ser que as personagens se chamam Rafael e Juliana e que trabalham na mesma empresa. Conforme vou publicando os posts, certamente irão perceber que há muitos segredos para serem revelados...
Além do título, também espero que deixem nos comentários o vosso feedback.
Obrigado
A Gerência

A licença do blog

Creative Commons License
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons.


Rubricas:

Além de uma nova história a decorrer no blog, acompanhem também a nova rubrica do blog 'PERDIDOS E ACHADOS DA VIDA', pequenos textos que incidem sobre... Leiam e descubram...

Pesquisa
 
Contacto
Mail:
contosepontos@sapo.pt
Setembro 2009
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
11

13
14
15
16
18
19

20
21
22
23
24
26

27
28
29


No baú...
2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D


2008:

 J F M A M J J A S O N D


Citação do dia


Comentários recentes
Olá obrigada por me adiconares. Gostei mto de ler ...
http://asnossaspalavrasperdidas.blogs.sapo.pt/Novo...
Obrigado pelos elogios.Volta sempre!Quanto ao próx...
Há uns tempos que aqui não vinha . . . nem aqui ne...
Muito bonitas as tuas palavras...também sou uma ra...
Posts mais comentados
3 comentários
2 comentários
2 comentários
Eu escrevo para a...

Estou no...

Estou no blog.com.pt - comunidade de bloggers em língua portuguesa
blogs SAPO