Os TEXTOS que se seguem são pura FICÇÃO e qualquer semelhança com a REALIDADE é pura coincidência!
Este espaço permite-me dar-vos a conhecer todo o meu entusiasmo pelas palavras.


df @ 11:40

Qui, 22/10/09

- Mas eu sempre te disse que a nossa vida começava a partir do momento em que nos conhecemos. O que estava para trás, tinha deixado de ter importância - disse, sentando-se no outro sofá.

- Porra, Tiago, mas isso sempre só valeu para mim. Tu vieste atrás do teu passado ao regressarmos aqui. Nem de deste ao trabalho de encontrar um casa para nós - enquanto discursava a minha veemente opinião, levantei-me para pegar no maço de tabaco, que estava escondido algures numa gaveta do aparador. - Só passado quase um ano de eu quase enlouquecer em casa dos teus pais, é que começamos a procurar a nossa casa! - enfatizei esta última parte. - E de certeza que só o fizeste porque já não aguentavas ouvir-me queixar da tua mãe e do teu pai. Entendes? Isso de colocar um ponto final no passado foi sempre uma treta! No fundo, acho que nunca quiseste enfrentar o facto de conheceres uma pessoa que tinha sofrido maus-tratos por parte dos pais - finalmente acendi o cigarro que tinha na mão e soltei uma baforada mesmo em direcção a ele. Não tinha o hábito de fumar dentro de casa, primeiro porque não gostava e em segundo por respeito ao Tiago, que não fumava. Aquilo certamente iria irritá-lo. - Acho que nunca quiseste crer que isso era uma realidade, que já deixara de ser uma ficção de televisão ou simplesmente mais uma notícia no jornal.

- Não, Diana, não foi bem assim... Quer dizer... Sinceramente, o que te acabei de dizer é verdade. Sempre achei que o teu passado não iria ter influência na nossa relação, porque era passado e tu estavas a trezentos quilómetros de casa por opção própria. Além disso, se me mostrei indiferente a isso, era porque não queria que tu estivesses sempre a recordar - retorquiu, levantando-se e dirigindo-se a mim. Tirou-me o cigarro da mão e apagou-o imediatamente no cinzeiro limpo de vidro transparente.

- Não entendes que eu simplesmente fugi? Fugi para não continuar a sofrer? Mas eu sofria, mesmo longe, eu sofria. Eu tive que abandonar tudo o que conhecia e tive que deixar a pessoa que sempre me apoiou, a única que me apoiou na merda desta vida!

- E agora ele volta a entrar na tua vida - comentou.

- Sim e vou fazer os possíveis para que não nos voltemos a separar - declarei prontamente.

O Tiago continuava em frente a mim, o seu rosto já deixara há muito de mostrar uma aparente compreensão. Agora tinha dado lugar uma expressão irada, de intenso ciúme.

Nunca o vira assim e tinha receio daquilo que ele me pudesse dizer. As palavras conseguiam ser igualmente violentas como uma bofetada. E eu conhecia as duas formas...

. Nem deixas arrefecer a nossa cama, Diana, é isso?

- O quê?! - exclamei.

- Não foi exactamente isso que vocês fizeram ontem? À hora que ele saiu daqui ontem só podia - atacou.

- Estiveste a vigiar-nos, Tiago? Como é possível que o tenhas feito? Já não tens respeito por mim nem por ti, Tiago?

- Ora, Diana, tu é que provocaste isso - virou-me costas, dirigindo-se até à janela. Tornou a voltar-se para mim - Como querias que reagisse? Sou teu marido e teu amigo. O teu pai faleceu e só soube, porque fui à loja e vi que estava fechada. Aquela tua amiga do café é que me falou. Olha com que cara é que fiquei! - Apontou-me o dedo, estando sempre em tom acusatório - Nem ao funeral me disseste para te acompanhar, Diana. Depois houve a missa de sétimo dia... Dispensaste a minha presença mais uma vez e quando te telefonei estavas com ele...

- Porra, Tiago, o Ricardo estava lá, o meu pai foi uma pessoa muito importante para ele, por mais que me custe a admiti-lo. Era evidente que ele estaria lá - Acendi um novo cigarro. Sentia que o meu corpo hesitava em manter-se direito na sua presença. Precisava de respirar fundo e me sentar - Acabamos por ir jantar juntos.

- Sim, sim...

- O que queres dizer com isso? Da outra vez disse-te para não fazer cenas de ciúme, que não havia motivo para tal.

- Pois, mas agora já há! - exclamou, berrando.

- E se houver? Tiago, nós estamos divorciados. Já não vivemos juntos há quase três meses.

- Mas ainda há duas semanas fomos para cama.

 



DESAFIO

Coloquei-vos há tempos o desafio de darem um TÍTULO à nova história que se irá desenvolver nos próximos meses aqui. Ainda não vos dei muita informação, a não ser que as personagens se chamam Rafael e Juliana e que trabalham na mesma empresa. Conforme vou publicando os posts, certamente irão perceber que há muitos segredos para serem revelados...
Além do título, também espero que deixem nos comentários o vosso feedback.
Obrigado
A Gerência

A licença do blog

Creative Commons License
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons.


Rubricas:

Além de uma nova história a decorrer no blog, acompanhem também a nova rubrica do blog 'PERDIDOS E ACHADOS DA VIDA', pequenos textos que incidem sobre... Leiam e descubram...

Pesquisa
 
Contacto
Mail:
contosepontos@sapo.pt
Outubro 2009
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9

12
13
14
15
16

18
19
20
21
23
24

25
26
28
30
31


No baú...
2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D


2008:

 J F M A M J J A S O N D


Citação do dia


Comentários recentes
Olá obrigada por me adiconares. Gostei mto de ler ...
http://asnossaspalavrasperdidas.blogs.sapo.pt/Novo...
Obrigado pelos elogios.Volta sempre!Quanto ao próx...
Há uns tempos que aqui não vinha . . . nem aqui ne...
Muito bonitas as tuas palavras...também sou uma ra...
Posts mais comentados
3 comentários
2 comentários
2 comentários
Eu escrevo para a...

Estou no...

Estou no blog.com.pt - comunidade de bloggers em língua portuguesa
blogs SAPO