Os TEXTOS que se seguem são pura FICÇÃO e qualquer semelhança com a REALIDADE é pura coincidência!
Este espaço permite-me dar-vos a conhecer todo o meu entusiasmo pelas palavras.


df @ 12:55

Ter, 03/11/09

- Ia-te mesmo ligar, querida. Desculpa, mas já não vou aí jantar. - afirmei, tentando evitar que toda a dor que sentia transparecesse para o outro lado da linha.

- Mas o que se passa?

- O Tiago acabou de sair daqui de casa. Tivemos mais uma discussão daquelas... Mas acho que esta foi a última. - declarei, numa tentativa vã de que aquilo fosse algo banal.

- Há três meses disseste o mesmo e depois viu-se...

- Mas não, Raquel - retorqui. Sentei-me no sofá, puxando o pequeno cobertor axadrezado azul escuro para mim. - Desta vez foi tudo dito... Acho que tudo aquilo que ambos tínhamos guardado para nós nos últimos anos, foi dito...

- Queres que vá aí, amiga?

- Não, obrigado. Quero só me ir deitar e tentar dormir. Amanhã, se quiseres, almoçámos juntas, está bem?

- De certeza que não queres que vá aí?

- Não, Raquel. Obrigado e mais uma vez desculpa por não aparecer. Pede desculpa também ao Mário. Até amanhã.

Larguei o telemóvel em cima da mesa de centro, que estava por cima de um tapete liso preto, e fui para o quarto. Entrei e, intencionalmente, várias lembranças me vieram à mente. Umas em que estávamos a fazer amor, outras em que estávamos somente a trocar impressões sobre o dia um do outro e, por fim, algumas discussões, em que havia roupa a cair no chão , atirada com violência, molduras nossas viradas para baixo, escondendo os nossos sorrisos....

Corri para a casa-de-banho e levantei rapidamente o tampo da sanita. Não tinha quase nada no estômago, mas ainda assim vomitei fosse o que fosse que lá tinha estado guardado.

O azedume que sentia na boca era igual àquilo que naquele momento sentia pelo Tiago.

Puxei o autoclismo e deixei-me cair no chão gelado, encostada à sanita. Tirei uma das tolhas de rosto que estavam penduradas mesmo ao lado do lavatório. Limpei a cara e fiquei a olhar o vazio, sem me aperceber que as horas passavam e que os meus olhos fechavam, cansados da luta diária.

 

O dia seguinte foi mais um pesadelo. Tudo correu mal. Cheguei à loja de manhã sem as chaves para a abrir. Já atrasada, voltei para casa para as ir buscar.

Na parte da manhã entrou somente uma cliente, que nada comprou, nem sequer um par de meias, lançando-me um olhar desagradado, por pelos vistos, não ter nada que lhe agradasse. Às duas horas e meia da tarde, hora em que regressava do almoço - que foi um sumo e duas bolachas - recebi o telefonema da Adriana a informar-me que precisava de faltar, porque a sua mãe adoecera.

Como é evidente, dispensei-a sem qualquer dúvida e nem sequer ponderei descontar-lhe o dia. A rapariga não merecia.

Sem me poder ausentar por um longo período de tempo, permaneci na loja, lendo e relendo o Jornal de Notícias, que comprara logo pela manhã, nas restantes horas que compunham a tarde de quinta-feira. Mas o dia não podia acabar pacificamente. Ainda tinha que receber mais um telefonema interessante: o advogado da família, como se auto-intitulou, o doutor João Bernardo Costa, convocou-me para uma reunião informal em casa dos meus pais, nos Carvalhos, para a leitura do testamento, no sábado à tarde. Não me questionou se estaria disponível, apenas me disse qual era a hora para a comparência e que era imperativa a minha presença.

Não sabia se havia de rir ou de chorar. Mantive-me na posição de sempre: apreensiva com o que quer que fosse que viesse dos meus pais.

 



DESAFIO

Coloquei-vos há tempos o desafio de darem um TÍTULO à nova história que se irá desenvolver nos próximos meses aqui. Ainda não vos dei muita informação, a não ser que as personagens se chamam Rafael e Juliana e que trabalham na mesma empresa. Conforme vou publicando os posts, certamente irão perceber que há muitos segredos para serem revelados...
Além do título, também espero que deixem nos comentários o vosso feedback.
Obrigado
A Gerência

A licença do blog

Creative Commons License
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons.


Rubricas:

Além de uma nova história a decorrer no blog, acompanhem também a nova rubrica do blog 'PERDIDOS E ACHADOS DA VIDA', pequenos textos que incidem sobre... Leiam e descubram...

Pesquisa
 
Contacto
Mail:
contosepontos@sapo.pt
Novembro 2009
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
14

15
16
17
18
20

22
23
24
26
27
28

29


No baú...
2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D


2008:

 J F M A M J J A S O N D


Citação do dia


Comentários recentes
Olá obrigada por me adiconares. Gostei mto de ler ...
http://asnossaspalavrasperdidas.blogs.sapo.pt/Novo...
Obrigado pelos elogios.Volta sempre!Quanto ao próx...
Há uns tempos que aqui não vinha . . . nem aqui ne...
Muito bonitas as tuas palavras...também sou uma ra...
Posts mais comentados
3 comentários
2 comentários
2 comentários
Eu escrevo para a...

Estou no...

Estou no blog.com.pt - comunidade de bloggers em língua portuguesa
blogs SAPO