Os TEXTOS que se seguem são pura FICÇÃO e qualquer semelhança com a REALIDADE é pura coincidência!
Este espaço permite-me dar-vos a conhecer todo o meu entusiasmo pelas palavras.


df @ 19:50

Qui, 07/01/10

A segunda sala da casa era totalmente oposta ao que tinha visto até ali.

Visualmente era um espaço bem mais acolhedor. O chão era de madeira escura, em parquet, e as paredes eram pintadas de beije. A mobília era de traços lisos, em wengué, bastante moderna. Apesar de dividida igualmente em sala de estar e de jantar, era bem mais pequena do que aquela onde tinha estado anteriormente. A mesa de jantar era rectangular, com vidro temperado no centro e as cadeiras, da mesma qualidade de madeira, eram forradas em pele beije. O tapete, tanto o que cobria o espaço da mesa como o que estava entre o sofá e o pequeno móvel da televisão eram vermelhos, a contrastar com todo aquele ambiente relaxante.

Esta divisão não estava tão aprumadamente limpa. Passava definitivamente a ideia de que era habitável. Haviam papéis em cima do aparador e brinquedos do Dinis espalhados pelo chão e num cesto. E finalmente haviam fotografias dela e do filho, algumas pequenas em que eles apareciam acompanhadas por um homem, que Rafael, pelas poucas lembranças que tinha, supôs que fosse o falecido marido. Havia ainda uma moldura com uma fotografia em que eles apareciam com um casal com uma idade avançada. Não sabia se seriam os pais ou os sogros... E ainda uma outra em que Juliana aparecia com duas pessoas, muito parecidas com ela, feliz, na qual ele deduziu que seriam os irmãos.

- Vejo que estás boquiaberto - comentou ela, vendo que Rafael observava cada centímetro daquela divisão. - Dinis, se quiseres, liga a televisão, mas não ligues a playstation, porque o jantar já vai ser servido.

Ela dirigiu-se para a mesa de jantar e puxou uma das cadeiras de costas altas. Convidou-o a fazer o mesmo, indicando-lhe a cadeira em frente.

- Esta sala foi remodelada por mim e pelo Filipe mesmo no início do nosso casamento e depois adaptámo-la com um espaço para o Dinis brincar. Por isso, é tão diferente da outra. - falou ela, sem o enfrentar.

Eram tantas as recordações que estavam a começar a ficar novamente à superfície com aquela conversa... Mas era necessário fazer-lhe todas aquelas confidências, para não o enganar, para não lhe dar falsas esperanças.

- Antes desta sala, remodelámos todo o andar superior, à excepção de um dos quartos, que seria para quando os meus sogros ficassem cá. A minha sogra, quer dizer, a minha ex-sogra, adora o requinte antiquado, se é que se pode dizer as coisas assim. Alterámos o pátio, criando uma piscina e ainda um pequeno anexo, com cozinha regional e sala.

- Não deu para perceber muito bem, já estava a ficar escuro quando chegámos, mas o terreno parece grande.

- Sim, grande demais até. Antes da morte do Filipe, ainda vendemos uma parte do terreno, contra a vontade da minha sogra.

- Porque é que não alteraste o resto da casa?

- Agora já não posso alterar mais nada - retorquiu.

- Porquê?

- É uma longa história, Rafael.

- Vou ficar para jantar, certo? Então ainda acho que tenho tempo - disse, sorrindo.

Juliana devolveu-lhe o sorriso, mas este rapidamente desapareceu.

- O Dinis, como é óbvio, não tem qualquer tipo de lembrança do pai, até porque só tinha oito meses de vida, e eu falo com ele apenas algumas coisas. Ele sabe que o pai morreu, que foi para o céu, porque tentou fazer algo de bom...

Juliana sentiu necessidade de baixar o tom de voz, para o que ia dizer a seguir e segredou:

- O Filipe parou o carro no meio da Ponte do Infante, pouco depois desta ser inaugurada, e atirou-se de lá. Foi... Bem, o que eu contei ao Dinis foi que o pai ao tentar convencer alguém a não se atirar, escorregou e acabou por ser ele a cair... Enquanto ele é pequeno, ele acredita. Daqui a uns anos, acredito que ele me vá perguntar a verdade e ficará zangado comigo, mas acho que fiz o melhor para ele.

- Também acho que sim. É doloroso quando os miúdos dão conta que falta alguma coisa ou que algo não está bem. Às vezes, é preciso criarmos essas falsas expectativas.

- Falas por experiência própria?



DESAFIO

Coloquei-vos há tempos o desafio de darem um TÍTULO à nova história que se irá desenvolver nos próximos meses aqui. Ainda não vos dei muita informação, a não ser que as personagens se chamam Rafael e Juliana e que trabalham na mesma empresa. Conforme vou publicando os posts, certamente irão perceber que há muitos segredos para serem revelados...
Além do título, também espero que deixem nos comentários o vosso feedback.
Obrigado
A Gerência

A licença do blog

Creative Commons License
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons.


Rubricas:

Além de uma nova história a decorrer no blog, acompanhem também a nova rubrica do blog 'PERDIDOS E ACHADOS DA VIDA', pequenos textos que incidem sobre... Leiam e descubram...

Pesquisa
 
Contacto
Mail:
contosepontos@sapo.pt
Janeiro 2010
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
12
13
16

18
19
20
22
23

24
25
26
27
28
29
30

31


No baú...
2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D


2008:

 J F M A M J J A S O N D


Citação do dia


Comentários recentes
Olá obrigada por me adiconares. Gostei mto de ler ...
http://asnossaspalavrasperdidas.blogs.sapo.pt/Novo...
Obrigado pelos elogios.Volta sempre!Quanto ao próx...
Há uns tempos que aqui não vinha . . . nem aqui ne...
Muito bonitas as tuas palavras...também sou uma ra...
Posts mais comentados
3 comentários
2 comentários
2 comentários
Eu escrevo para a...

Estou no...

Estou no blog.com.pt - comunidade de bloggers em língua portuguesa
blogs SAPO