Os TEXTOS que se seguem são pura FICÇÃO e qualquer semelhança com a REALIDADE é pura coincidência!
Este espaço permite-me dar-vos a conhecer todo o meu entusiasmo pelas palavras.


df @ 14:53

Dom, 17/01/10

Abri a persiana pela manhã e observei o mundo lá fora, satisfazendo-me por estar protegida das intempéries deste Inverno.

Peguei no embrulho rasgado, que estava em cima da cómoda, e retirei a prenda que me tinham oferecido no dia anterior: uma bonita écharpe em preto e branco. Admirei-a, pensando com qual conjunto conjugaria melhor aquela peça, mas por enquanto tinha que saber onde a guardar, quando não a usasse. A gaveta das écharpes e cachecóis estava cheia e, como tal, tinha que os mudar de lugar.

 

Foi então que me lembrei de uma das gavetas do meu roupeiro. Era a última de um conjunto de três que estavam na vertical e que ficava mais perto da parede do quarto. Estava esquecida, quase imperceptível ao dia-a-dia. Por estar tão escondida, eu guardava lá com frequência papéis, fotografias, enfim objectos que tinham um certo significado para mim.

 

Então, ao abri-la encontrei, no topo, um guardanapo com o símbolo de um restaurante. Era uma lembrança de uma viagem que tinha feito a Coimbra, na altura da faculdade, nas raras vezes em que todos se conseguiram juntar para ver uma exposição de fotografia que se espalhava pela cidade. Juntamente com isso, estavam fotografias de tempos esquecidos, que não voltaram a se repetir.

Retirei-os e coloquei-os delicadamente no chão.

Em seguida, retirei papéis de coisas escritas por mim, de momentos vividos com intensidade. Mas ignorei-os e por baixo encontrei uma pequena caixa de metal, já com ferrugem, de uns bombons que eu gostava muito e que despertou mais a minha atenção. Tirei a tampa e surpreendi-me com o seu conteúdo. Era uma espécie de junção entre a vida e a morte, a esperança e a mágoa. Havia uma folha muito fina dobrada em quatro. Desdobrei-a. Era o documento que datava da altura do meu nascimento: tinha o meu nome, o meu pequeno peso e a minha pequena medida, tendo sido acrescentada uma observação importante, o defeito com que tinha nascido no coração. A este papel estava associada a enorme luta pela sobrevivência, minha e da minha mãe. Foram mais de dois anos a resistir a constantes infecções, doenças perante um coração bastante debilitante. Lembrava-me constantemente das histórias que a minha querida progenitora contava com sofrimento e orgulho. Eu estava viva!

 

Mas ele não estava.

Ao lado deste documento, vi a coleira dele. Mais de treze anos a acompanhar-me nas várias etapas da minha vida: viu-me ter sucesso na escola, sem o entender que o era, viu-me começar a namorar, viu-me a casar. Era tudo para mim. Mas até os melhores amigos se vão e depois de ter sido atingido por um tumor na anca e sem esperança de cura, tive que lhe dizer Adeus. Era o meu cão, o meu amigo, o meu menino, como lhe chamava com frequência. Mas tenho as melhores recordações dele, de quando ficava feliz quando me via chegar a casa, de quando sabia que eu ia levá-lo a passear... Fiquei triste ao ver aquilo, mas por outro lado, dei graças por o ter tido na minha vida.

 

Tirei todos os objectos da gaveta e decidi colocá-los numa das gavetas da minha mesa-de-cabeceira. Afinal, as lembranças eram mais importantes do que pensava. Tinham sido momentos vividos por mim, que por mais que me doessem, não podiam ser relegados.

Arrumei todos os cachecóis e écharpes, limpei as lágrimas e fui até à cozinha tomar o pequeno-almoço.

 

 

Texto escrito para a Fábrica de Histórias



DESAFIO

Coloquei-vos há tempos o desafio de darem um TÍTULO à nova história que se irá desenvolver nos próximos meses aqui. Ainda não vos dei muita informação, a não ser que as personagens se chamam Rafael e Juliana e que trabalham na mesma empresa. Conforme vou publicando os posts, certamente irão perceber que há muitos segredos para serem revelados...
Além do título, também espero que deixem nos comentários o vosso feedback.
Obrigado
A Gerência

A licença do blog

Creative Commons License
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons.


Rubricas:

Além de uma nova história a decorrer no blog, acompanhem também a nova rubrica do blog 'PERDIDOS E ACHADOS DA VIDA', pequenos textos que incidem sobre... Leiam e descubram...

Pesquisa
 
Contacto
Mail:
contosepontos@sapo.pt
Janeiro 2010
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
12
13
16

18
19
20
22
23

24
25
26
27
28
29
30

31


No baú...
2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D


2008:

 J F M A M J J A S O N D


Citação do dia


Comentários recentes
Olá obrigada por me adiconares. Gostei mto de ler ...
http://asnossaspalavrasperdidas.blogs.sapo.pt/Novo...
Obrigado pelos elogios.Volta sempre!Quanto ao próx...
Há uns tempos que aqui não vinha . . . nem aqui ne...
Muito bonitas as tuas palavras...também sou uma ra...
Posts mais comentados
3 comentários
2 comentários
2 comentários
Eu escrevo para a...

Estou no...

Estou no blog.com.pt - comunidade de bloggers em língua portuguesa
blogs SAPO